bubok.es utiliza cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios y a recordar sus preferencias mediante el análisis de sus hábitos de navegación. Ver política de privacidad. OK
Buscar en Bubok

fabiodinis

É, sobretudo, quando morre alguém que amamos, que a morte nos toca e nos afeta o íntimo, e até, de certo modo, morremos um pouco também na relação que finda. “Conheci a minha morte na morte do outro; reconhecia como possibilidade iminente, num momento de quase morte.” (Daniel Serrão). É nestas ocasiões que urge, incessantemente, a percepção da nossa própria mortalidade, em que a veracidade da morte se torna um fio ténue e débil de uma vida irrefutável.