bubok.es utiliza cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios y a recordar sus preferencias mediante el análisis de sus hábitos de navegación. Ver política de privacidad. Rechazar Aceptar
Gastos de envío gratuitos
Buscar en Bubok
EUR 6,81
Cantidad
+
  • Compra online y recibe tu pedido donde quieras
  • Si lo prefieres puedes pedirlo contra reembolso
  • También puedes recogerlo en nuestra tienda de Madrid
Añadir a la cesta
Iniciar compra
Pago disponible con Amazon Pay, tarjeta, Paypal, transferencia o giro postal
detalles del producto:
  • Autor: Jacob (J.) Lumier
  • Estado: Público
  • N° de páginas: 143
  • Tamaño: 150x210
  • Interior: Blanco y negro
  • Maquetación: Rústica
  • Acabado portada: Brillo
  • ISBN Libro en papel: 978-84-9981-937-2
  • Descargas: 38
  • Libros vendidos: 5
  • Última actualización: 16/10/2020

Comunicação e Sociologia: Artigos Críticos

2ª edição modificada

ISBN papel: 978-84-9981-937-2

ISBN ebook: 978-84-9981-938-9

Livro recomendado junto aos Sociologists Without Borders International - SSFI.

Apresentação

O sociólogo desempenha uma profissão regulamentada que contempla o ensino, a pesquisa e o serviço prestado aos programas sociais, �s empresas ou �s ONGs.

Os fundadores desta disciplina ensinaram o interesse das questões públicas, dimensionando-as como indispensáveis para compreender a consciência coletiva, cuja extensão não cessa de crescer na era da globalização e das técnicas de informação e comunicação.

A sociologia é uma profissão e uma disciplina científica e pode ser assim dupla em virtude de sua mirada pró-atuação. Daí a demanda por um ensino crítico, já que a teoria sociológica é determinista ou explicativa e não se funda em axiomas nem é subordinada �s doutrinas filosóficas ou jurídicas.

Nos artigos aqui reunidos são reafirmados e desenvolvidos além da mirada crítica, os postulados realistas básicos de que: (a) nenhuma comunicação pode ter lugar fora do psiquismo coletivo; (b) todo o conhecimento é comunicável mediante os mais diversos símbolos sociais; (c) a língua não é senão um meio para reforçar a interpenetração e a participação em um todo.

30 de Outubro 2010 / 25 de Junho 2011

 

Jacob (J.) Lumier

Sumário

Apresentação 7

Tecnificação e Condição Humana: 11

Introdução: a mirada diferencial 11

As Correlações Funcionais 13

Consciência Coletiva e Consciência Individual 15

Tecnificação e Sociologia 17

O Saber como Controle Social 21

O sistema cognitivo do capitalismo. 33

Sociologia do Saber Histórico 45

Será "radical" a sociologia do conhecimento 49

Realismo de Saint-Simon 52

Internet e Cultura do Compartilhamento 57

Novo paradigma de construção do conhecimento 59

Internet e Utilitarismo 61

Conhecimento e Sociologia 64

O autômato e o estatuto do objeto técnico. 67

A Mirada Diferencial 69

A formação de um grupo estruturado 74

Movimento para uma estruturação 76

Análise estrutural e análise histórica 77

Da estratificação 79

Dependência e Independência 80

Agrupamentos funcionais 81

Notas Críticas Sobre as Teorias de Interação 84

Imitação e Sentimento Coletivo 85

A Imitação e as Relações com Outrem 86

O circulo vicioso de Freud 89

Ausência da Mirada diferencial em Sartre 91

O Sociólogo diante do Utilitarismo 97

Utilitarismo e ecologia 98

Compreender a vida moral 102

Orientação de Durkheim 105

Experiência e Variabilidade 108

A definição sociológica dos fatos morais 110

Créditos de Durkheim 112

Moralidade real 114

Sistemas de moralidade 115

Função da vida moral nas sociedades 118

Os determinismos da vida moral 120

O estudo da vida moral da classe camponesa 121

O Psiquismo refratário � modernização 121

O determinismo da moral tradicionalista camponesa 123

Efetivismo e Sociologia 125

O efetivismo 125

A Influência dos Fatores Extralógicos 129

O efetivismo como caráter humano das liberdades 130

A leitura sociológica 136

Índice 139

Perfil do Autor Jacob (J.) Lumier 140

...[Leer más]
1 comentario sobre este libro Regístrate para comentar sobre este libro
3 de Febrero de 2012 por carlusmagn
Sociologia e Direitos Humanos:
Informação sobre o projeto intelectual do
Livro “Comunicação e Sociologia”, de Jacob (J.) Lumier.
Comunicação e Sociologia - artigos críticos / 2ª edição modificada;
Bubok Publishing, Madrid; 143 págs; tamaño: 150x210; ISBN: 978-84-9981-937-2
http://www.bubok.es/libros/191754/Comunicacao-e-Sociologia--artigos-criticos--2-edicao-modificada



Neste ensaio "Comunicação e Sociologia", o autor Jacob (J.) Lumier elabora sobre as relações entre Sociologia e Direitos Humanos tomando como ponto de partida a concepção concreta que afirma a efetividade da Declaração Universal dos Direitos Humanos, adotada pela Organização das Nações Unidas – ONU (1).
A compreensão sociológica assim aplicada põe em perspectiva as quatro liberdades que se compreendem por elas próprias por serem liberdades humanas essenciais, a saber: Liberdade de Expressão, Liberdade de Culto, Liberdade para Querer, Liberdade contra o medo (Four Freedoms: Freedom of Speech, Freedom of Worship, Freedom from Want, and Freedom from Fear), cujos comentários o autor publica no artigo anexo intitulado "Efetivismo e Sociologia" (2), que inclui no final do seu livro.

• Os Direitos Humanos tomam parte das forças produtivas em sentido lato e, desta forma, desempenham um papel constitutivo nos próprios quadros sociais.

►Mas não é tudo. A compreensão sociológica de que os focos dos Direitos Humanos são as liberdades humanas essenciais, que se compreendem por elas próprias e, em razão deste fato, são mais do que variáveis lógicas, põe em relevo não só o pluralismo efetivo da realidade social, mas, igualmente, o fato de que os conjuntos práticos são abertos à criação e, com sua variabilidade efetiva, ultrapassam a reprodução dos paradigmas do sistema.
Deste ponto de partida, o autor defende a proposta de que um bom caminho para explicitar as relações entre Sociologia e Direitos Humanos passa pela crítica aos paradigmas de localização (3), amplamente aplicados nos conhecidos estudos de estratificação social, onde prevalecia a antiga concepção ideológica de que os conjuntos práticos seriam inertes, de tal sorte que, inseridas no determinismo das posições, as mudanças sociais se restringiriam à busca das vantagens, que diferenciam as posições na hierarquia de prestígio e fortuna.
Quer dizer, uma vez situados na sociabilidade, como aspectos da vida espontânea do Direito – portanto incluídos no ambiente microssociológico que reproduz o equilíbrio parcial entre as prerrogativas de uns e as obrigações de outros –, juntamente com as demais manifestações da consciência – tais como a linguagem e a intervenção do conhecimento –, os Direitos Humanos tomam parte das forças produtivas em sentido lato e, desta forma, desempenham um papel constitutivo nos próprios quadros sociais.

• O problema sociológico da consciência coletiva é tornar possível compreender a própria possibilidade de comunicação universal entre os seres humanos.

► Por via do reconhecimento do papel constitutivo da consciência nos quadros sociais, Jacob (J.) Lumier revaloriza não só a introdução do problema da consciência coletiva, por Emile Durkheim (1858-1917), que trouxe a psicologia coletiva para o domínio da sociologia, mas, igualmente, põe em relevo a descoberta por Karl Marx (1818-1883) da realidade social por trás da dialética das alienações, que consolidou a pesquisa em psicologia coletiva como aquisição sociológica.
Neste marco, o autor sociólogo adota a mirada diferencial (4) e expõe que o problema sociológico da consciência coletiva é tornar possível compreender a própria possibilidade de comunicação universal entre os seres humanos, o que está a exigir uma interpretação realista da consciência, como virtualmente aberta e imanente ao ser.
Partindo da constatação de que, sem prejudicar o seu esvaziamento eventual, e para servirem de base à comunicação universal, os símbolos devem ter para todas as consciências individuais um significado, a orientação em realismo sociológico põe em relevo que isto pressupõe uma união, uma fusão parcial das consciências, anterior a qualquer comunicação simbólica. Tal é a orientação que o autor considera dever contrapor à concepção que reduz a consciência coletiva a uma simples resultante das consciências individuais isoladas, tidas como ligadas entre si pelas suas manifestações exteriores nos signos e nos símbolos.
Quer dizer, Jacob (J.) Lumier partilha a constatação de que a realidade dos níveis culturais na vida coletiva – os níveis simbólicos e significativos, as ideias, os valores e os ideais – desempenha um papel de primeiro plano que ultrapassa a consideração dogmática dos mesmos como simples epifenômenos, projeções ou produtos. Pelo contrário, a consciência coletiva os apreende, sendo, portanto, uma consciência situada no ser, intuitiva e capaz de se multiplicar em um mesmo quadro social.
Daí, a consciência coletiva é estudada (a) não só nas suas manifestações na base morfológica das sociedades, nas condutas organizadas e regulares, nos modelos, signos, atitudes, funções sociais, símbolos, ideias, valores e ideais coletivos, obras de civilização; (b) principalmente nas estruturas e nos fenômenos não estruturais (estudados em microssociologia); mas, (c) igualmente em si própria, já que a consciência coletiva não se realiza inteiramente em qualquer desses elementos, e pode extravasá-los em expressões imprevisíveis, inesperadas e até surpreendentes (5).

• As manifestações da sociabilidade são as primeiras antíteses salutares que se opõem aos campos prático-inertes.

►A tese fundamental de pesquisa, nesta obra “Comunicação e Sociologia - artigos críticos”, afirma que as manifestações da sociabilidade são as primeiras antíteses salutares que se opõem aos campos prático-inertes (6). Em razão deste fato, as mesmas viabilizam a dialética das três escalas descobertas na realidade social (7), de tal sorte que nenhuma teoria de passagem à história – ainda que privilegiem a práxis das classes sociais – alcançará e incluirá os níveis mais elementares e irredutíveis da realidade sem levar em conta tais maneiras de ser ligado pelo todo no todo, que são as manifestações da sociabilidade.

• Duas seções

O texto de "Comunicação e Sociologia" pode ser classificado em duas seções. Uma que agrupa a exposição sobre a mirada diferencial, e inclui os seguintes capítulos: "A Mirada Diferencial", "Notas Críticas sobre as Teorias de Interação", "A Ausência de Mirada Diferencial em Satre", "Efetivismo e Sociologia".
Na outra seção do livro, incluindo os demais capítulos, é questão, notadamente, das aplicações da dialética das três escalas, como recurso para elucidar o posicionamento crítico do sociólogo em face do utilitarismo, estudado (a) em relação ao problema do conhecimento e das tecnologias de informação e comunicação (tics); (b) em relação aos determinismos da vida moral. Deve-se notar, ademais, que a crítica à tecnificação do saber e à imposição do primado da lógica nas relações humanas, comentada em alguns capítulos, faz par com a oposição sociológica ao utilitarismo doutrinário.

NOTAS COMPLEMENTARES

1) Declaração adotada pela Organização das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 (A/RES/217) http://www.ohchr.org/EN/UDHR/Pages/Introduction.aspx
2) Ver "Efetivismo e Sociologia: Uma reflexão em vista dos Direitos Humanos e Sociais", pág 125 do livro em pauta.
3) Esta orientação é sustentada pelo autor em seus comentários sobre as contribuições de Gastón Bachelar (1884 -1962) em "Le nouvel esprit scientifique (1934)".
4) A mirada diferencial assimila e desenvolve no plano da teoria sociológica e da dialética a diferença de que a cultura dos “de cima” não é a mesma dos “de baixo”.
5) Esse caráter imprevisível, inesperado e surpreendente da consciência coletiva pode ser facilmente constatado hoje em dia, na profusão de movimentos sociais que se mobilizam e irrompem tanto nas sociedades mais desenvolvidos quanto em países com pouca experiência de Democracia.
6) Os campos prático-inertes (termo introduzido pelo filósofo Jean Paul Sartre / 1905-1980) formam a base morfológica das sociedades, onde se inclui a instrumentalização da realidade material, com toda a aparelhagem técnica que circunda o homem e, mais amplamente, com todas as expressões exteriormente perceptíveis dos produtos humanos.
7) A realidade social é descoberta nas três escalas seguintes: [1] em escala microssociológica – inclui (a) os Nós, os seus três graus de intensidade e coesão, afirmados, respectivamente, como Massa, Comunhão, Comunidade; e (b) as relações com outrem; [2] em escala parcial – inclui os agrupamentos sociais particulares, (dentre eles o Estado, como bloco de localidades) e as classes sociais; [3] em escala das sociedades globais. Veja Gurvitch, Georges: (1894-1965): "Dialectique et Sociologie", Flammarion, Paris 1962, 312 págs. Col. Science.




Otros libros del autor
Los clientes que compraron este libro también compraron

La librería Bubok cuenta con más de 70.000 títulos publicados. ¿Todavía no encuentras el tuyo? Aquí te presentamos algunas lecturas recomendadas basándonos en las valoraciones de lectores que compraron este mismo libro.
¿No es lo que buscabas? Descubre toda nuestra selección en la librería: ebooks, publicaciones en papel, de descarga gratuita, de temáticas especializadas... ¡Feliz lectura!

Bubok es una editorial que brinda a cualquier autor las herramientas y servicios necesarios para editar sus obras, publicarlas y venderlas en más de siete países, tanto en formato digital como en papel, con tiradas a partir de un solo ejemplar. Los acuerdos de Bubok permiten vender este catálogo en cientos de plataformas digitales y librerías físicas.
Si quieres descubrir las posibilidades de edición y publicación para tu libro, ponte en contacto con nosotros a través de este formulario y comenzaremos a dar forma a tu proyecto.

Si necesitas ayuda, contáctame, te atenderé al instante.
ABRE UN CHAT INSTANTÁNEO SI NECESITAS AYUDA


¿Quieres que te informemos de cómo publicar tu obra? Déjanos tu teléfono y te llamamos sin compromiso.

Introduce el nombre

Introduce el teléfono

Introduce el E-mail

Introduce un email válido

Escoge el estado del manuscrito

Gracias por contactar con Bubok, su mensaje ha sido enviado con éxito. Una persona de nuestro departamento de asesoría al cliente se pondrá en contacto contigo a la mayor brevedad.
Enviar